01 julho 2010

Barulhinho bom - parte 1

      Acho que tem um bom tempo que não falo de música por aqui, artistas novos que descobri, artistas velhos que voltei a ouvir ou conheci coisas nunca antes escutadas. Vou tentar me redimir.

      Antes de mais nada, vou deixar claro que são estilos musicais diversos, pois sempre gostei de experimentar sons diferentes. Se quem estiver lendo isso tiver gostado dos outros textos que escrevi sobre música ao longo desses anos, não vai se decepcionar. Tenho que também explicitar uma forte influência pernambucana nas indicações e isso se deve em parte aos meus amigos (que moraram ou vão muito ao Recife) que indicam artistas, em parte a minha busca por coisas novas parecidas com o que já gosto. Mas tem artista de Sergipe, Minas, São Paulo, Rio e outros estados também. Além disso, tem artistas estrangeiros, que de filme em filme, de site em site eu vou conhecendo.

      Vou seguir a ordem alfabética da lista de músicas. Começo, então, com o 3 na massa, trio de músicos com características eletrônicas que costumam convidar cantoras para fazer os vocais. Procurem ouvir o disco "Na confraria das sedutoras" e saberão o qual bom é de ouvir. Também tem "Frevo de saudade", com a Céu cantando (essa música não está num disco deles, mas sim numa coletânea).

      O próximo da lista é o Arnaldo Baptista, músico e compositor que começou a carreira nos Mutantes, banda que também revelou a Rita Lee. Som bem psicodélico do anos 60 e 70, com letras igualmente alucinadas. Ou se questionar que vai virar bolor é algo normal?? Escute "Fique aqui comigo" e "Sunshine". São as menos doidas.

      Seguindo em frente, mas mantendo um pouco o estilo musical, temos a Ave Sangria. Confesso que tenho uma queda por essas músicas psicodélicas dos anos 60 e 70, com um som sujo e estranho. Letras legais, ritmo diversificados e um nome bem engraçado (pra mim). "Corpo em chamas", "Hey man", "O pirata" e "Seu Waldir" se tornaram obrigatórias.

      Gosta de frevo? Gosta de músicas com pífanos e flautas? Gosta de músicas cantadas em coro? Então experimenta a Banda de pau e corda. "Pipoca moderna" e "Voltei Recife".

      Cabruêra, roque nordestino arretado e regionalizado. Triangulo, zabumba, guitarra, alfaia. Forró com Nirvana. "Parapoderembolar" e "Batendo o martelo nas mesmas cabeças".

      Completando a primeira parte dessa lista, Céu. A música dela tem batidas eletrônicas, tem samba, tem suingue. Tem qualidade. "Lenda", "Concret jungle" e "Dez contados".

Um comentário:

Vanessa disse...

De repente me deu uma vontade de escutar aquelas músicas que vc me enviou, alguns tempos atrás!

Beijãaaaao!