02 fevereiro 2012

Atrasado, mas sem pressa


      O ano por aqui começa atrasado. Com todos os problemas acontecidos, janeiro só serviu para conta os dias do calendário. O ano é bissexto, acho que isso ajuda em minimizar a perda de alguma forma. Um prêmio de consolação.

       Não ficarei remoendo o que já passou e não trás prazer algum em ser relembrado. Deixo isso para uma próxima análise psicológica temperada a drama e lamentação. Talvez eu devesse olhar com mais carinho o que tem acontecido de bom. Talvez eu pudesse sorrir mais um pouco. Quem sabe eu esqueço o que passou.

       Promessas. Várias. Nem todas serão cumpridas. Talvez os 3000 km pedalados ao longo do ano. Ou então os 250 filmes. A reforma do quarto. Todas as visitas prometidas. Quero me ver livre de algumas amarras que fazem parte de mim. Quero mais irresponsibilidade com a razão.

      Outro dia vi um beija-flor do meu lado, quando tirava o carro da garagem para ir trabalhar. Nem me dei conta, naquele momento, de quanto tempo eu não via um beija-flor. Não sei se eles existem tanto quanto antes. Não sei se temos menos flores (menos aromas e menos cores também). Só agora percebo o quanto foi bonito ver o beijo. Feliz da flor.

3 comentários:

anareis disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
MervP disse...

so white bread

Nádia Sena Soares disse...

Meninooooo!!! estou espantada de tão encantada, como você escreve bem, brinca com as palavras e nos faz viajar, pensar e meditar, como a vida é boa quando leio seus poemas.... só tenho uma coisinha a dizer:
Obrigada por Compartilhar, obrigada por nos deixar participar deste mundinho tão particular e tão seu, e que diante da colocação de suas palavras nos faz perceber que nada na vida é tão fácil, porém há formas belas de se expor o que nos vai à alma.... Mais uma vez...
Muito Obrigada!