22 abril 2011

Madrugada vazia

      A essa hora, quando quase todos dormem, eu fico esperando. Esperando. E não chega. Cadê?

      É na madrugada que me sinto mais a vontade, que sinto mais vontade. O silêncio e o escuro só preenchem meu quarto de vazio. Onde se encontra o brilho e a melodia desses momentos? Anda distante, bem distante. Será que volta?

      E o que era alegria e ternura se torna a insônia me puxando pelo braço para a cama vazia. Sem graça. Não aceito o travesseiro inodoro, imóvel, intacto. Tem como?

      Quem espera sempre sofre. Talvez, um dia, alcance. Espero ser está a minha sorte.

2 comentários:

Gabriela disse...

Pois é, voltei a escrever. Por aqui tudo indo. A questão não é achar o interruptor, a verdade é que ele não quer acender. Coisas da vida. E você como está?

Camila disse...

Gosto da passagem do segundo parágrafo para o terceiro. Estamos sempre atrás de alguma coisa, seja ela o que for, e quando finalmente alcançamos, ela perde o sentido. Me parece meio injusto...

http://meropoemacp.blogspot.com/