10 julho 2008

Caixinha de supresas

Tão engraçado o destino,
um moleque travesso e esperto,
apronta cada uma comigo.
És diabo, me chamando ao inferno?
És amigo, mudando da vida o sentido?
Do que me deu, sobrevivo com o resto
do que me tirou, poucas histórias tenho.

Mas ainda guardo pra mim uma Caixinha
cheia de supresas deliciosas:
amor, carinho e alegria em quantidade precisas.
Se preciso for eu escondo essa caixa preciosa,
e no fundo do meu peito, ficará guardada
sem chave na porta, num lugar sem placa na entrada.

Um comentário:

baixinha disse...

Guarde essa caixinha sim. Com o mesmo amor e carinho que ela foi dada. Beijos!