16 setembro 2009

Manhã de um dia de chuva qualquer

      "Fazia tempo que os dias andavam chuvosos e melancólicos. Parecia que aquele céu de chumbo bloqueava a vida real, restando somente pensar em tudo que já tinha passado.

      Na manhã de hoje o tempo estava mais frio e a luz que entrava da janela, mais pálida, mais sombria. Alguns pássaros cantavam escondidos sob as telhas molhadas, como que alertando: "não saia da sua cama, ela é o melhor lugar do mundo hoje". E passarinho sabe das coisas, já voou muito por aí e viu o mundo de onde só eles podem ver. Mas o mundo do homem é diferente e não lhe deixa viver uma só melancolia.

      Levantou e foi enganar o estômago. Pegou uma maça e colocou a água para esquentar. Um chá quente ia fazer se sentir melhor. A cozinha estava escura, sem cor e sem vida. Depois de tudo pronto, abriu a porta que dava no quintal e foi recebido por um sopro gélido. Daqueles que gelam até o coração. Rapidamente tomou um gole de chá, como quem tenta manter o coração batendo. Foi em vão, a tristeza se apossou dos seus pensamentos.

      Nada mais lhe restava que não fosse sofrer pelo que já tinha sofrido embaixo de um coberto, ouvindo a chuva cair. E já que era para fazer isso, que fosse bem feito. Colocou umas músicas para tocar, pegou papel, caneta, o que lhe sobrou de alegria e começou a escrever.

      Então o céu desabou em forma de água e levou suas idéias. Sobrou somente, e tão somente, o vazio de um dia de chuva. E lembrou do conselho do passarinho...

2 comentários:

carol disse...

como estou me sentindo assim hoje

arteimitavida disse...

Há de passar!!!

Bjoks