03 setembro 2010

Ainda tenho...

      Ainda tenho muito de você comigo, ainda te carrego pra onde vou. Não vou me livrar disso tão cedo e não quero jogar fora por jogar. Vou aos poucos separando o que quero e o que não quero, o que devo deixar pra trás e o que vai ser sempre meu.

      O que acabou não significa que chegou ao fim.

Um comentário:

Vanessa disse...

Nada se vai como o vento, tão rápido e frio!

Porém, é bom que demorem, porque depois que passam, demoram pra retornar!

Beijos.