31 janeiro 2011

Mensalidade - 01/2011

      E o primeiro mês do ano foi embora tão rápido quando chegou, sem me dar tempo de fazer tudo que eu planejei. Mas uma coisa que não vou deixar de fazer é um resumo das minhas experiências culturais. Espero fazer todo final de mês um apanhado sobre leituras, músicas, shows e filmes que eu tiver o prazer (ou desprazer) de experimentar. Então vamos lá.

Leitura

Cantos do pássaro encantado - Rubem Alves
- Amor. Amor. Amor. É sobre isso que fala esse livro delicioso, um apanhado de pequenos textos sobre as diversas fases do amor. Enquanto o lia ficava relembrando (e imaginando também) quando passei por cada situação descrita, cada alegria, cada tristeza. Pequeno, de escrita leve e direta, é um livro para se lê e reler várias vezes, em vários momentos. Peguei emprestado o exemplar que li, mas podem apostar que vou comprar assim que puder.

Música

Journal da Bad - Bárbara Eugênia - Comecei o ano me deparando com esse disco. Se boas experiências são sinais de bom presságio, acho que o resto do ano vai ser muito bom. Passei o mês ouvindo o disco e ainda não me cansei. Alguém pode estranhar o fato das músicas serem um tanto diferentes umas das outras, mas não ligo pra isso não. Achei os arranjos das músicas bem sofisticados, aumentando o prazer de ouvir a voz da Bárbara. Recomendo bastante ouvir "Haru", "Dos pés", "Embrace my heart" e "É, rapaz".

Azul/Vermelho - Ninca Becker
- Aqui são dois discos distintos, mas ambos maravilhosamente bons. Para quem gosta de músicas tranquilas, envolventes e cantadas com esmero, são ótimas pedidas. Pra mim a principal qualidade é a voz da Nina Becker, muito gostosa de se ouvir. Dá para colocar as músicas para tocar e ficar pensando deitado na cama. Pode começar pela regravação de "Lágrimas negras" ou então por "Medo", "Superluxo", "Madrugada branca", "Samba-jambo", "Não tema", "Pedido", "Do avesso" e "Toc toc".

Feito pra acabar - Marcelo Jeceni
- Eu ando sentindo falta de bons cantores novos aqui no Brasil, parece que só cantoras se lançam em carreiras solos. O Jeneci me fez acreditar que ainda é possível mudar essa impressão depois de ouvir seu bom disco. Ainda preciso ouvi-lo melhor, mas já de antemão indico "Pra sonhar", "Dar-te-ei", "Por que nós" e "Felicidade". Além do disco, obrigo quem leu esse texto a ouvir também "Dia a dia, lado a lado", gravação ainda não oficial com a Tulipa Ruiz. Escrevi sobre ela aqui.

Voilà - Rhaissa Bittar - Quem já leu outros textos meus sobre músicas deve ter percebido que eu tenho preferências por músicas mais tranquilas, talvez até melancólicas e depressivas. Isso é verdade, porém não me impede de gostar de coisas mais animadas. Esse disco é prova. Pode colocar pra tocar e começar a cantar e dançar, é garantido. Como não ficar com aquela sensação de alegria ao ouvir "Chilique chic" e "Dig dom"? Além dessas, pode escutar "Caos" e "Pif paf".

Vídeos

Filme - Coração louco - Ele tem algo parecido com O lutador, é um filme de um personagem só. Os outros estão ali meramente para complementar as cenas, quase na categoria de figurantes. Nada disso tira o brilho de Jeff Bridges como Bad Blake, um velho cantor de música country em decadência, alcoolatra e que se vê numa situação onde há apenas duas saídas: mudar ou terminar por definhar completamente. O filme fala de redenção, dessas reviravoltas que faz tudo mudar.

Seriado - The walking dead - Não sou fã de filmes de zumbies (exceto os escrachados, tipo Todo mundo quase morto), por isso fiquei com um pé atrás quanto a assistir ou não esse seriado. Só que agora estou doido esperando a próxima temporada, porque a primeira só teve 6 ótimos capítulos. Pra mim o que menos conta são os sustos dos mortos-vivos, muito mais interessante é do drama de viver num mundo onde poucos ainda não foram infectados. E não tem essa de aliviar pro lado dos personagens principais não, alguns já se deram mal. Kkkkkkk

Filme - O segredo dos seus olhos -  Cada dia que passa me surpreendo mais com a qualidade dos filmes não-americanos. Antes da vida internética era difícil saber de filmes que não os hollywoodianos, quem dirá conseguir pra assistir, mas com o fim das barreiras (viva a web), tudo ficou fácil. Conheço pouco do cinema argentino, mas se tiver mais filmes com a qualidade desse, talvez seja a hora de olharmos pro nosso vizinho hermano com mais atenção. Filme com um ótimo roteiro, atuações seguras e um final bem interessa, que fica melhor ainda em alta definição (Jah abençõe o Blu-ray).

Apresentações

Show - Naurea - Tirando os shows do reveion, o primeiro que eu posso considerar assistido foi o da naurÊa, no Encontro Cultural de Laranjeiras. Acompanho a banda desde 2004 e vejo ao menos umas 5 apresentações deles por ano, então tenho conhecimento pra dizer que o show que abriu o ano foi ótimo!!! Mesmo com os atrasos da programação do evento, com o calor e o cansaço, foi muito bom pular e dançar, fazendo a poeira subir. A roda que se forma quando Bomfim é tocada foi uma das maiores dos últimos tempos.

Apresentação - Cortejo Afro - Ainda no Encontro Cultural de Laranjeiras, tenho que citar o desfile afro que aconteceu no final da tarde por lá. Era lindo ver todas as vestimentas elaboradas dos integrantes, as danças, o tapete branco. Tudo isso ao som de ótimas músicas negras e cantos afoxés. Para coroar o desfile, um pôr do sol maravilhoso na colina de uma das igrejas.

Show - Nantes - Ainda não foi dessa vez que vi um show autoral da Nantes, porque aqui eles fizeram cover dos Beatles. Um setlist imenso, com músicas de todas as fases (e não só as mais velhas, viu Tâmara?) dos garotos de Liverpool, bastante animação e alguns berros exagerados, imagino o quanto a banda ensaiou para tocar as músicas com tanta segurança. Valeu o ingresso.


Bem, em janeiro foi isso aí. A série mensalidade retorna no final de fevereiro.