06 março 2010

A cada pedra no caminho, anarriê: *


      Drummond escreveu um famoso poema sobre pedra no caminho. Não me envergonho de não conhecê-lo direito. Para o que quero falar aqui não preciso dele.

      Todos nos deparamos com problemas pela vida. Essas são as pedras. Algumas são pequenas, nem percebemos. Outras são enormes, parecem montanhas. Mas desconheço pedra que não possa ser transposta. Seja só ou com ajuda alheia; seja dando a volta, passando por cima ou mudando de caminho. E as pedras ainda ensinam.

      As pedras são diferentes pra quem olha. Posso ver uma pedrinha enquanto alguém enxerga um morro. Isso não impede de ajudarmos alguém com elas. Precisamos, sim, saber como ajudar.

      Tem quem queira carregar a pedra. Com o tempo elas se acumulam e começam a pesar. Fica a dúvida: jogar todas foras ou só algumas, pra carregar outras?

      Tem quem prefira chutar. Se a pedra for pequena, não vai ser problema. Se ela for grande ou estiver bem presa no chão, vai machucar. Bastante.

      Existe a possibilidade de não mexer na pedra. Contornar, escalar. E deixa a pedra no lugar. E seguir em frente.

      O título desse escrito é uma frase de uma música da Cumadre Florzinha. Depois da frase lá de cima, ela termina assim:
"Respira e salta."


Força,

2 comentários:

Ser como a fênix disse...

Obrigada meu anjo... obrigada


vou ter força
=~~

Vanessa disse...

"Mas água mole em pedra dura, tanto bate até que fura!"

;D

Beijos