30 março 2009

Natureza I

"Minha visão distorcida do mundo"



Nunca se observa duas vezes
as mesmas águas de um rio.
Tudo já será passado
num piscar os olhos.

O rio cobra, com firmeza,
pelo seu transporte:
dos que vivem, a incerteza
das pedras, a morte.

Em seu orgulho doentio
não consegue perdoar
toda água que lhe corre
nunca mais irá voltar.

O rio também não guarda mágoas
nem guarda histórias.
Ou pode lembrar do passado
o que não tem memória?

Ele não se basta
nem se cabe em si
nasce com a chuva
o mar é seu fim.

3 comentários:

Daniel disse...

Muito bom, gostei!
abs

Tâmara disse...

Amor, aprendo tanto tanto tanto com voce!

è tão bom!

"Em seu orgulho doentio
não consegue perdoar
toda água que lhe corre
nunca mais irá voltar."

as vezes eu pareço com esse rio...

Dica disse...

"Tudo já será passado
num piscar os olhos."

Verdade escrita da forma mais linda que já li.
Os rios se assemelham com a vida, com os dias.. E assim como o mar é seu fim a morte é o meu fim.