25 janeiro 2008

Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas.

Hoje de manhã recebi um email de uma adorável pessoa com um link de um dos capítulos do livro O pequeno prícipe. Em geral nem abro essas coisas, vai direto para a lixeira. Mas como a pessoa é sensata e em geral não repassa emails a toa, resolvi abrir.


O capítulo fala do encontro com PP com uma raposa e fala sobre cativar o outro, além de criticar as relações atuais, onde ninguém liga muito para ninguém. Só não digo que é a mais pura verdade porque eu ainda prezo por algumas pessoas. Poucas.


Hoje é tudo na correria, não temos tempo para aproveitar mais as pessoas, nem tanto porque não queremos, mas porque não podemos. É tudo ao mesmo tempo agora. Estudar, trabalhar, namorar, descansar, curtir, viajar. É sempre assim: escolhe-se uma prioridade e esquece-se o resto. E assim vamos nesse mundo moderno e competitivo, onde o que vale é o lucro.


Terminando de ler o texto eu parei pra pensar em quem eu prezo de verdarde, quem me faz falta. E descobri que tenho bons amigos, mas poucos realmente indispensáveis. E assim é até legal, posso dedicar tempo a todos eles, apesar de que, em geral, serem todos bem enrolados. Pra conseguir falar um "oi" pessoalmente é um parto. Um dia ganho na megasena e vai todo mundo morar comigo. Kkkkkkkkkk


Agora vou dedicar mais atenção aos cativos (por favor, não estou prendendo ninguém) e fazer uma limpeza nas ditas amizades. No entanto não me nego a conhecer pessoas novas. Quem precisar de alguém pra conversar, é só me procurar, estou no ar aproximadamente 19h por dia.

2 comentários:

Carol... disse...

Éeee amizade é coisa estranha... às vezes quem tá longe, tá mais perto que quem tá perto e bla bla bla

adoro vc... mesmo sendo esse ser implicante =]

beijoooss

Grazinha disse...

Eu tento dar atenção aos meus amigos mas nem sempre é possível... essa correria mata um... mas acho que as verdadeiras amizades superam isso!

P.S.:Escrevo pra mim e pros outros [afinal essa é a razão do blog].
O que é só pra mim eu continuo guardando na gaveta...