22 fevereiro 2008

Queremos saber, o que vão fazer com as novas invenções...

     Lendo a Caros Amigos desse mês me deparei com uma coluna em que se falava de ciência. Mas o que é exatamente ciência? Quem faz ciência? Para que e para quem ela serve?



     O ser humano é curioso por natureza, para isso também serve o cérebro desenvolvido (do ponto de vista biológico) que ele tem. E desde que ele caminha pela terra tem procurado desvendar os segredos do meio que o cerca.



     Só que inicialmente o conhecimento gerado era tão somente teoria e não era acumulado, ou seja, se perdia de uma geração. A transmissão de conhecimentos se dava de forma oral, muito era muito difícil que ele durasse e mantivesse a integridade. Se algum detentor de conhecimento morresse, o conhecimento morria junto.



     Com o advento da escrita a ciência teve um salto de qualidade sem precedentes. Mesmo que inicialmente essa ciência fosse restrita ao âmbito religioso, depois ela se espalhou. A sistemática desses dados foram importantes para a humanidade chegar ao ponto atual.



     Inicialmente o homem procurava a conhecer coisas básicas do ambiente, não haviam instrumentos para pesquisas avançadas. Fogo, rochas, animais e plantas eram os assuntos preferidos e ajudavam no deselvimento da agricultura e pecuária. Mas o homem queria mais.



     Começou a criar ferramentas e equipamentos para refinar e aprofundar as pesquisas, gerando novos conhecimentos e problemas a resolver. E o que fazer com os resultados? Bom, com o advento do capitalismo e da Revolução Industrial, a saída é vender.



     Agora chegamos no ponto em que a ciência se encontra: mercantilismo. As pesquisas são patrocinadas por empresas para que delas possam ser criados novo produtos e depois vendidos com grandes lucros. O interesse por descobrir o mundo ao seu redor foi trocado pelo homem pelo interesse de comprar o mundo. E quem sabe, se der, a lua, Marte, Vênus...



     Em geral os estudantes formados nas universidades públicas (que são bancadas com o dinheiro dos nossos impostos) vão depois trabalhar na iniciativa privada ou ainda em projetos bancados por ela dentro das universidades, não dando retorno do dinheiro investido pela sociedade. Seria interessante que os projetos de pesquisas financiados pelo poder público também fosse de interesse público e não tivesse restrição de acesso, qualquer um pudesse se utilizar dela. Conhecimento não deveria possuir patente.



     A ciência hoje perdeu seu caráter de curiosidade e tentativa

Um comentário:

* мiмiℓα * disse...

"Seria interessante que os projetos de pesquisas financiados pelo poder público também fosse de interesse público e não tivesse restrição de acesso, qualquer um pudesse se utilizar dela"

É uma pena que o poder público não tem interesse!!!

:(